lista de compras: Dezembro 2009

15.12.09

2010

Também nos mentiram sobre o Natal, diz o rapaz que viaja e também já sofreu. Fugia de tudo com medo de estar sozinho, da mesma maneira que a outra ficava e ficava e ficava. Aquela que quando saltava da árvore dos cinco cantinhos nunca arranjava outra árvore para se agarrar. Ficava perdida e sozinha no meio e por isso às vezes deixava de arriscar. Quando arriscava porém, a sorte era sempre a mesma e lá ia ela agarrar-se à árvore cheia de raízes fortes e seguras. Uma árvore boa, que deu folhas, flores e de onde saiu uma outra, pequenina, que agora cresce. Uma árvore onde ela podia ter sombra em dias de sol e abrigo em dias de chuva. Que ela sempre abraçou com amor.
Atirou-se para o abismo e nunca mais a viu, à árvore a quem outra agora se agarrou, é assim o jogo.

Caiu, caiu, caiu, caiu e continua a cair.

Mas está a chegar a hora de aprender a planar. A voar. Ainda que por agora trema de medo das alturas e da queda.

Não espera um pára-quedas nem um colchão lá no fundo. Espera apenas nunca mais ter medo do salto.

Venha a década.

13.12.09

...

7.12.09



ainda que debaixo da chuva e do frio, ainda que não saibamos onde nos leva a estrada, ter-nos-emos sempre. sempre.

4.12.09

Vou fazer uma árvore de Natal. Na nossa casa onde entrava o sol e onde o filho brinca desarrumado. Vou montar o pinheiro comprado num ano de felicidade qualquer, um dos 15, ou 12, ou 13, não sei ao certo quantos são. Quantos foram. Hoje vou entrar na porta com ele pela mão e vamos procurar o livro dos brinquedos para completar a carta ao Pai Natal. E vou ter de pôr um brilho qualquer nos meus olhos que só se embaciam. Vou pegar nos anjos e pedir que me alumiem, vou colocar as prendinhas e fazer desejos. Tenho de pôr as luzes também, acendê-las, mudar o botão para o modo intensidade flutuante. Mais tarde, quando ele já estiver a dormir, quente, depois de lhe ler uma história - tem sido aquela em que ele marca dois golos pelo Sporting - volto à sala vazia. As luzes vão-me lembrar tudo aquilo que já não existe. Tudo aquilo que já não me pertence. A fotografia permanece lá em cima. A preto e branco. Vou olhar para ela com os olhos molhados, e imaginar natais passados. Aqueles em que fomos felizes os três.

3.12.09

Ninguém inventa nada