lista de compras: Novembro 2006

27.11.06

Sabemos que alguma coisa está a mudar no mundo...


... quando no novo filme do James Bond não é a gaja que sai da água em fato de banho, mas sim o próprio do homem.

23.11.06

Mãe? Boazona?

Qual é o último sítio onde se pensa que nunca se vai ouvir assim uma frase de engate, bem, mas uma frase chique, nada abardinada, mas assim com os olhinhos a brilhar e tal, e o sorriso 35?

Até ontem, eu pensava que era no sítio onde nem sequer tenho nome próprio, onde apenas me chamam mãe.

Na creche, meus caros, pois foi na creche!

PS: qualquer pessoa (sim, tu) que queira saber mais informações sobre o assunto fica avisada desde já que não vou denunciar ninguém.

20.11.06

Se calhar também foi a personalidade....


Para os senhores da Armani ela era perfeita. Um metro e setenta e quatro, quarenta quilos de peso. Uma cara bonita, um ar entre o doente e o chique, um belo cabide para as roupas do afamado criador.

Morreu vítima de anorexia aos 21 anos. Dizia ela que só queria trabalhar para sustentar a família e agora a família está inconsolável. Comia maçãs. Era o que ela comia.

Ironia das ironias, depois de morta, Ana Carolina teve de ser vestida com uma roupa número 48. Mas o dia em que realmente ficou gorda foi precisamente o dia em que já não havia mesmo mais nada a fazer.

15.11.06

Meninas, há limites!

Gaja que é gaja uma vez que seja deverá ter utilizado o espaço designado por WC para desabafos, confissões, cusquices e etecetera.

Mas, ou eu estou a ficar velha, ou isto do falatório na toillete está a assumir proporções que extravasam o normal funcionamento, quer das relações, quer das necessidades fisiológicas que qualquer ser humano - menos as modelos, porque toda a gente sabe que elas não mijam, nem transpiram nem arrotam - volta e meia, tem.

Ou seja, não dá para não falarem ao telemóvel nas casas de banho? Não é por nada, mas é que me incomoda que alguém do outro lado da linha da conversa que decorre na casinha ao meu lado tenha de ouvir um jacto a bater na sanita. Pronto, chamem-lhe mania...

10.11.06

Atenção patronato (a palavra é feia, mas tem de ser)



Se virem por aí gajedo com camisas, saias ou sweats Viktor&Rolf para a H&M, ou então vestidos, calças de ganga e trench coats abaixo do 40, saibam que elas NÃO TIVERAM NENHUMA DOR DE CABEÇA, NEM LHES VEIO O PERÍODO, NEM O FILHO FICOU DOENTE, NEM O CARRO AVARIOU, NEM TINHAM CONSULTA NO DENTISTA.

Essa gente estava plantada à porta da H&M do Chiado desde manhã cedo e mal abriram as portas foram a correr feitas gatas assanhadas para deitarem as mãos a tudo o que era giro e vestível da colecção daqueles maravilhosos estilistas.

E eu, que fui trabalhar e até tive uma benesse e me pirei mais cedo, quando lá cheguei eram cinco da tarde, ainda fiz figura de ursa ao perguntar onde estava o resto da colecção. Por isso, sofram, suas, suas, fashion tourists!

6.11.06

Tanto (a)mar!

Chegámos em cima da hora e eu encharcada da cabeça aos pés. Ao passar entre as cadeiras da plateia ouvi uma senhora que comentava, com algum espanto: «Há muitos jovens aqui...»

Diz que Chico é coisa de velho, de quarentão saudosista. Que o homem lá por ter 62 e cantar há 40 já só arrebata corações de cabelos brancos. Que aqueles olhos azuis já não encantam mocinha. Que aquela voz tão doce e ainda tão límpida não diz palavras do hoje.

Que grande mentira, digo eu. Eu que pela primeira vez o vi ao vivo e com algum receio de ele ser tipo CD, ali parado agarrado ao violão. Mas ele falou e dançou e riu. Escorregou numa letra mas logo sambou por cima dela.

A mim agarrou-me desde a primeira música.

Por isso a todos os que acham que isto é coisa de gente velha, aqui fica a letrinha do sessentão que está longe de se portar como um vovozinho. Mil perdões, gente...

Te perdoo
Por fazeres mil perguntas
Que em vidas que andam juntas
Ninguém faz
Te perdoo
Por pedires perdão
Por me amares de mais

Te perdoo
Te perdoo por ligares
Pra todos os lugares de onde eu vim
Te perdoo
Por ergueres a mão
Por bateres em mim

Te perdoo
Quando anseio pelo instante de sair
E rodar exuberante
E me perder de ti
Te perdoo
Por quereres me ver
Aprendendo a mentir

Te perdoo
Por contares minhas horas
Nas minhas demoras, por aí
Te perdoo
Te perdoo porque choras
Quando eu choro de rir
Te perdoo por te trair